Divas que inspiram // 15 maio 2017

Às vezes é preciso ficar off para voltar a ser on

Autor Imagem Por Giselli Souza

Foram nove dias na Bolívia, com quase nada de internet nem de português. A cada dois anos, experimento fazer uma viagem no meu aniversário para refletir sobre a vida. Sem treino, prova ou tênis. Somente na minha própria companhia e com o máximo possível de interação com novas culturas e pessoas que também estão na mesma vibe.

Por isso, escolho sempre ficar em hostels e compartilhar um quarto com desconhecidas. A possibilidade de conhecer gente nova e diferentes estilos de vida me atrai muito e não é de hoje. Desde que fiz o meu intercâmbio, em 1998 para a Austrália, passei a viajar sozinha por opção. Mesmo namorando e até na época que eu era casada, sempre curti ficar alguns dias sozinha para ouvir a voz do silêncio e encontrar eu mesma as minhas respostas.

18342531_10154696594052239_1626607767148513437_n

Pôr-do-sol no Salar de Uyuni

Na Bolívia, fiz um pedal incrível na estrada da Morte, visitei uma ilha flutuante, comi frango frito com batata frita e coca-cola, devorei latas de Pringles, sacos de balas skittles, passei três dias no deserto com franceses, alemães e um australiano que eu nunca havia visto na vida. No dia do meu aniversário, passei a tarde com uma alemã de Hamburgo, que provavelmente em nunca mais irá ver na vida.

A maior parte destes momentos não estão em posts nas redes sociais e, alguns deles, nem sequer estão em fotos. Optei por em vez de registrar, simplesmente viver a viagem sem nenhuma preocupação. Não reservei os passeios, nem os hotéis e hostels por onde eu fiquei. Comprei um mochilão, separei as roupas, uma pequena mochila, um tênis e uma botinha de trekking e fui.

Pedal na "Death Road", próximo a La Paz, na Bolívia

Pedal na “Death Road”, próximo a La Paz, na Bolívia

Sei que muitas de vocês não teriam a mesma coragem ou talvez até vontade de fazer uma aventura dessas. Até porque, como a Bolívia possui uma economia bem menos desenvolvida que a nossa, a viagem é barata justamente porque não há tantos recursos assim. Não há luxo em La Paz e muito menos no deserto. As temperaturas congelantes (cheguei a pegar -10 graus no deserto) impedem até de se tomar banho.

O ponto em questão deste post e das minhas reflexões no deserto é que esses momentos da “gente com a gente mesma” são importantíssimos para quem busca um autoconhecimento. São aventuras e situações como essas que nos permitem lidar melhor com os obstáculos recorrentes do dia a dia como também os encerramentos e inícios de novos ciclos na nossa vida.

Eu e os gringos no meio do sal

Eu e os gringos no meio do sal

Se parece muito estranho ou temeroso viajar sozinha, tente ir ao parque ou em algum outro lugar bem bonito pra simplesmente sentar embaixo de uma árvore e pensar na vida. Sem treino, sem internet e só na sua companhia.

Às vezes tudo o que a gente precisa é do silêncio pra voltar a ficar ON na vida em todas as áreas. Não só no esporte, mas na vida profissional e pessoal.

Um beijo grande a toda vocês e um agradecimento mais do que especial a todas as mensagens do meu aniversário.

Boas reflexões (e treinos também).

Cemitério de trens no Uyuni

Cemitério de trens no Uyuni

Conheça a loja do Divas que Correm
Conte a sua história de superação no Divas! Escreva para giselli@divasquecorrem.com
Participe do nosso grupo de whastapp. Mande uma mensagem para (11) 982089700 
Venha treinar com o pelotão Divas que Correm

Veja mais!

4 COMENTÁRIOS

    Paula disse:

    Esses momentos são excelentes, para nos reencontrarmos, para encontrar a essência muitas vezes perdida, e para tbm traçar novas,metas,e objetivos.
    Bjao

    Rosemere disse:

    Li seu posto,me apaixonei, confesso que também tenho vontade de sair e encontrar comigo mesma. Acho que tenho pessoas ao meu lado que me travam.Admiro sua coragem.

    Cassia disse:

    Giselli, cada dia me identifico mais com seus posts e postura diante do esporte e vida pessoal.
    Parabéns pelo amadurecimento e verdade no que escreve.
    Estou cansada de ir em blogs que só fazem marketing das coisas que ganham das marcas. Aqui não, você escreve o que sente e muitas vezes é o que vários atletas e atletas vivenciam.
    Parabéns!
    Sou sua fã.

    Selma Azevedo disse:

    Que linda experiencia !! Tbm adoro viajar sozinha e curtir minha propria cia e o bacana e que nos tornamos mais abertos a conhecer pessoas diferentes de nos mesmas, que se estamos em companhia de alguem nao nos permitimos!!! J ameu deu vontade de planejar minha proxima viagem…

Comentários fechados.